Resultados 1 a 3 de 3
  1. #1

    Spotify vs todos: quem se sai melhor no mercado de streaming musical?

    Spotify vs todos: quem se sai melhor no mercado de streaming musical?


    O Spotify é um serviço popular de streaming de música no mundo todo. Ele é como o Netflix do mundo da música e só não domina em todos os lugares por conta da concorrência que conta com muitas cartas na manga.
    É claro que muita gente está satisfeita com o Spotify, assim como muitos consumidores se mostram contentes com seus respectivos serviços de música, só que sempre tem gente pensando em mudar, e conhecer novas opções nunca é demais.
    Para você ter uma ideia, só considerando o mercado do Brasil, a gente selecionou dez serviços desse gênero. Tem apps e músicas para todos os gostos, então certamente você vai poder ver se o seu serviço está entre os melhores, incluindo questões como preço, acervo, softwares, tecnologias, recursos, qualidade e muito mais.



    Apple Music

    • 30 milhões de músicas
    • Versão grátis (acesso apenas à rádio Beats 1)
    • 90 dias grátis
    • US$ 4,99 (R$ 17,60) por mês – plano comum
    • US$ 7,99 (R$ 28,25) por mês – plano família
    • Armazenamento de até 100 mil músicas no iCloud
    • Apps para Android e iOS
    • Nos computadores, funciona com o iTunes (PC e Mac)
    • Qualidade: 256 kbps (AAC)


    A Apple chegou ao mercado da música um pouco atrasada — em meados de 2015 —, mas entrou de supetão para abalar as estruturas do Spotify. Com uma biblioteca bem diversificada e uma rádio exclusiva (a Beats 1, que inclusive está disponível de forma gratuita para qualquer usuário), o serviço ganhou adeptos rapidamente.
    Parte do sucesso, obviamente, se deve à enorme quantidade de consumidores que usam o iPhone, o iPad e outros produtos da Apple. Uma grande vantagem é poder combinar a biblioteca do Apple Music com suas músicas antigas do iTunes, já que este serviço permite enviar até 100 mil músicas para o iCloud.

    O serviço que descende do iTunes também pôde se popularizar quando chegou para os aparelhos Android. A qualidade das músicas é bem aceitável, com bitrate de 256 kbps. Fica um pouco abaixo do que a maioria dos serviços oferece, mas ainda impressiona bastante.
    O serviço só está disponível com cobrança em dólares e, levando em conta a taxa cambial atual, acaba saindo um pouco mais caro que o Spotify e alguns concorrentes. A parte boa é que dá para testá-lo por 90 dias ou ficar só com a versão grátis, que tem a rádio Beats 1. Também é interessante optar pelo plano familiar, que aceita até seis usuários no mesmo registro.


    Spotify

    • 30 milhões de músicas
    • Versão grátis (com publicidade e esquema aleatório)
    • 30 dias grátis
    • R$ 14,90 por mês (plano comum)
    • R$ 22,35 por mês (plano Family)
    • Apps para Android, iOS, Windows Phone, computador (Windows, Mac e Linux), tablet, carro, PlayStation, TV, Android Wear
    • Versão web disponível
    • Qualidade: 320 kbps


    Há várias razões pelas quais o Spotify ganhou tanta fama e apreço dos consumidores. Primeiramente, temos a questão do pioneirismo. No Brasil, ele é bem novinho, mas, consultado as origens do serviço, podemos ver que estamos falando de um produto que nasceu há aproximadamente dez anos.

    Depois, é preciso considerar que o acervo deste serviço não deixa a desejar quando comparado a outros grandes nomes do ramo. Mesmo que alguns concorrentes apresentem maior variedade, o Spotify não fica nada para trás quando falamos dos principais nomes da indústria.
    O valor da mensalidade acompanha o que é praticado por quase todos os serviços, de modo que o Spotify não tem nada de especial nesse sentido, mas, ao menos, não é o mais caro do segmento. Uma grande vantagem do serviço é a opção gratuita, que permite curtir músicas com um pouquinho de publicidade.

    Ainda que esses argumentos apresentados sejam importantes, os grandes diferenciais do Spotify ficam por conta da compatibilidade e das funcionalidades. É interessante perceber que tal qual o Netflix, este serviço musical conseguiu conquistar o consumidor ao rodar em uma grande gama de aparelhos — que vão de celulares e TVs até carros.
    Quanto às funcionalidades, o Spotify se destaca com rádios bem diversificadas para todos os gostos e preparadas para cada momento da vida (tem estações ideais para o churrasco de fim de semana ou para aquela tarde ensolarada no parque). A curadoria é certamente um dos pontos fortes. A qualidade é excelente, e a integração com o Facebook também é bacana.


    Google Play Music

    • 35 milhões de músicas
    • Versão grátis (oferece apenas acesso ao app que toca músicas armazenadas no celular)
    • 30 dias grátis
    • R$ 14,90 por mês (plano comum)
    • R$ 22,90 por mês (plano Família)
    • Armazenamento de até 50 mil músicas no Drive (inclusive na versão gratuita)
    • Apps para Android e iOS
    • Versão web disponível
    • Qualidade: 320 kbps


    Apesar de ser um serviço bem recente, o Google Play Music vem ganhando muitos adeptos, uma vez que é uma solução já integrada no Android (que, por sinal, é o sistema operacional para smartphones mais utilizado no mundo). O acervo é consideravelmente grande, passando até o Spotify e o Apple Music.

    O preço é o mesmo da maioria dos serviços, e os interessados também podem testar as funcionalidades por 30 dias. Um diferencial aqui é a loja da Google, que, assim como a da Apple, dispõe de todas as novidades quase imediatamente e permite que o usuário adquira suas músicas e ouça para sempre (mesmo que não assine mais o serviço).

    Com as incríveis capacidades do Google Drive, este serviço ainda conta com espaço para que o usuário envie até 50 mil músicas para a nuvem. Isso quer dizer que mesmo aquelas músicas velhas do HD podem ficar disponíveis online para você ouvir em qualquer dispositivo.
    Falando em compatibilidade, aqui a Google acaba perdendo para alguns concorrentes. Ela oferece apps para Android e iOS, bem como uma versão para web. No entanto, o site do Play Music ainda usa Flash e faltam apps para Windows Phone, smart TVs, consoles, carros e outros tantos aparelhos.


    Groove Music

    • 40 milhões de músicas
    • Sincronização com o OneDrive
    • 30 dias grátis
    • R$ 14,90 por mês / R$ 149,00 por ano
    • Apps para Android, iOS, Windows Phone, Xbox, Windows 10
    • Versão web disponível
    • Qualidade: 192 kbps (não confirmado)


    Conhecido antigamente como Xbox Music, o serviço musical da Microsoft ganhou nova cara e proposta com a chegada do Windows 10. Rebatizado como Groove Music, o serviço é muito utilizado pelos usuários dos produtos Microsoft, uma vez que conta com sincronização com o OneDrive, permitindo o upload de músicas para a nuvem e funcionamento no Xbox One.

    Essas funcionalidades são importantes, mas o Groove se destaca mesmo pelo acervo exemplar. É um dos maiores da web, superando até mesmo Spotify e Google Play Music. É quase impossível não encontrar suas músicas favoritas nesta plataforma.

    Apesar de esses detalhes ajudarem na popularização do serviço, a Microsoft perde por um aspecto importante: qualidade. A dona do serviço não confirma o bitrate das músicas, mas as informações na web dão conta de que elas são codificadas em 192 kbps (o que não é tão bom assim). Uma coisa legal é que dá para assinar o plano anual do Groove, que oferece um desconto legal.


    Tidal

    • 35 milhões de músicas
    • 90 dias grátis (oferta temporária, pois o normalmente são 30 dias grátis)
    • US$ 3,99 (R$ 14,15) por mês (pacote comum)
    • US$ 7,99 (R$ 28,25) por mês (pacote HiFi)
    • Apps para computador (PC e Mac), Android e iOS
    • Versão web disponível
    • Qualidade: 320 kbps (pacote comum) e 1411 kbps (plano HiFi com músicas em Lossless)


    O Tidal é um serviço que chega com um diferencial matador: a qualidade. Esta é a única opção para usuários que são audiófilos, que não se contentam com menos do que o padrão Lossless. Ao aderir ao pacote HiFi, o consumidor tem acesso ao acervo codificado com bitrate de 1.411 kbps.

    Obviamente, qualidade tem um custo, por isso o plano mais top do Tidal é bem salgado (na atual cotação do dólar, dá quase 30 reais). A parte legal é que o consumidor também pode assinar o pacote comum, que ainda conta com músicas de ótima qualidade (320 kbps, o mesmo dos concorrentes) e tem preço camarada: apenas US$ 3,99 (ou R$14,15).

    Disponível para computadores (inclusive, roda direto no navegador), celulares e tablets com Android e dispositivos com iOS, o Tidal chega como uma opção excelente, ainda mais que apresenta um acervo variado, até mais recheado do que o do Spotify.


    Deezer

    • + de 40 milhões de músicas
    • 30 dias grátis
    • R$ 14,90 por mês
    • Apps para computador (PC e Mac), Android, iOS, Windows Phone, tablets (iPad, Android e Windows), Chromecast, Smart TVs, Android Auto, Car Play
    • Qualidade: 320 kbps


    O Deezer nasceu como um site de compartilhamento de músicas. Ao longo dos anos, ele sofreu altos e baixos em sua base de usuários por conta de problemas com direitos autorais. Após muita polêmica, os fundadores resolveram transformar o produto em uma plataforma para concorrer com o Spotify.

    Atualmente, o Deezer é o serviço que apresenta a maior biblioteca musical, superando até o Groove Music e o Napster. O acervo deixa o Spotify e o Apple Music comendo poeira, pois tem opções para todos os gostos (e até músicas que só meia dúzia conhece).

    Assim como o Spotify, o Deezer aposta na compatibilidade com vários aparelhos para conquistar o consumidor. Não importa se você quer curtir suas músicas na TV, no carro ou no celular, o leque de opções aqui é bem grande.
    Da mesma forma que muitos concorrentes, o Deezer também disponibiliza músicas com qualidade excelente (320 kbps). O preço é bem justo e competitivo, ficando na mesma faixa dos demais serviços. Além disso, você pode experimentar todas as funcionalidades por 30 dias.


    Napster

    • 40 milhões de músicas
    • 2 meses por RS 1,00
    • R$ 14,90
    • Apps para Android, iOS, Windows Phone
    • Versão web disponível
    • Qualidade: 320 kbps


    O Napster surgiu lá na era do P2P como um programa de compartilhamento de arquivos, mas acabou sendo desativado posteriormente. Recentemente, ele ressurgiu das cinzas como um serviço de streaming musical e chegou para desbancar a concorrência. Conhecido como Rhapsody em outros países, este serviço tem uma biblioteca absurdamente grande, empatando com o Groove.

    O Napster só deixa um pouco a desejar por conta da compatibilidade, que se limita aos celulares e tablets. Dá para acessar a versão online nos computadores, mas falta opções para smart TVs, consoles e outros aparelhos que poderiam garantir maior popularidade.

    Assim como a maioria dos concorrentes, o Napster apresenta qualidade elevada (320 kbps) e preço aceitável. Uma pena que não tem versão gratuita para testar, mas dá para experimentar por dois meses pagando apenas R$ 1,00, o que é quase de graça.


    Vivo Música by Napster

    • + de 36 milhões de músicas
    • 30 dias grátis
    • R$ 12,90 por mês
    • Apps para Android, iOS, Windows Phone
    • Versão web disponível
    • Qualidade: 320 kbps


    Segundo informações do site da Vivo, o acervo aqui é menor do que o do Napster, perde por uns 4 milhões de músicas. Parece uma diferença enorme, mas a biblioteca do Vivo Música não faz feio e ainda oferece as principais canções (com um total de 36 milhões de sons) para seus usuários. Inclusive, ele ainda fica na frente do Spotify e do Apple Music, levando as novidades dos principais artistas brasileiros para os ouvintes.

    Buscando levar um serviço de qualidade para seus consumidores, a Vivo fez uma parceria com o Napster para criar um app próprio de músicas, mas que se aproveita da biblioteca da plataforma internacional.

    Assim como o Napster, o Vivo Música também peca um pouco na questão da compatibilidade, que se limita aos celulares e tablets. Da mesma forma, você também pode acessar a versão online nos computadores, mas falta opções para smart TVs, consoles e outros aparelhos que poderiam garantir maior popularidade.
    Novamente, por usar a biblioteca do Napster, a qualidade aqui é elevada (320 kbps). Só que o Vivo Música ainda tem duas cartas na manga: é possível testar gratuitamente por 30 dias, e o melhor de tudo é que o preço é o mais camarada. Por apenas R$ 12,90 dá para curtir esse mundaréu de músicas (e economizar 2 reais por mês).


    TIMmusic by Deezer

    • + de 40 milhões de músicas
    • 30 dias grátis
    • R$ 14,90 por mês
    • Serviço gratuito para clientes de planos específicos da TIM (e sem desconto da franquia de internet)
    • Qualidade: 320 kbps


    A TIM também entrou na onda dos serviços de streaming musical e fechou uma parceria com o Deezer para levar uma opção bem completa para seus consumidores. O acervo é o mesmo do Deezer, portanto o cliente tem acesso a mais de 40 milhões de músicas.
    Para quem pretende experimentar, o TIMmusic by Deezer tem período de avaliação gratuido de 30 dias, então dá para conhecer bem a plataforma antes de assinar. O valor da mensalidade é de R$ 14,90, por isso fica bastante acessível e na mesma faixa de preço da maioria dos concorrentes.

    Uma coisa interessante é que alguns clientes da TIM podem usar o serviço gratuitamente e até mesmo sem descontar da franquia de internet móvel (isso é muito interessante para quem pretende curtir músicas sem precisar baixar os arquivos). A qualidade é ótima, com bitrate de 320 kbps.


    Claro Música by imusicacorp

    • 18 milhões de músicas
    • 30 dias grátis
    • R$ 14,90 por mês
    • Apps para Android, iOS, Windows Phone e Windows 10
    • Qualidade: não informado


    Bem recente no mercado, o sistema de streaming musical da operadora Claro é um serviço que chega com apps para os principais sistemas operacionais, mas que não se mostra muito versátil se considerarmos que alguns concorrentes funcionam até em smart TVs e outros dispositivos.
    O Claro Música é o serviço com o menor catálogo, não que 18 milhões de músicas (fornecidas pelo imusicacorp) seja pouca coisa, mas o preço equivalente ao de outros serviços não o coloca como a melhor opção do segmento. Obviamente, clientes da operadora acabam se sentindo mais confortáveis com o serviço.


    Conclusão

    São muitos serviços disponíveis e não há como declarar um "vencedor". Todos oferecem recursos e características muito similares, o que é perfeitamente aceitável se pensarmos que eles se concentram em atender o mesmo propósito.
    Claro que uma plataforma ou outra acaba levando vantagem em determinados aspectos, mas a verdade é que cada usuário tem sua preferência.

    Fonte: Tecmundo

  2. #2
    Olá @andrefbr,

    ficou muito bom o seu tópico, valeu por compartilhar essas informações com a galera aqui no Fórum.

    A equipe do Vivo Música by Napster viu o seu tópico e enviaram algumas informações para atualizar seu post:


    • O Vivo Música oferece o mesmo número de músicas que o Napster. Ambos contam com um acervo de 40 milhões de músicas, os catálogos são exatamente iguais.
    • Quanto a compatibilidade do serviço, o Vivo Música já está disponível para Smart TVs. Para usufruir dessa funcionalidade, basta assinar o pacote mensal 3 em 1 (R$14,90) e ter a Vivo TV. Acesse Menu – Interatividade ou canal 532 da Vivo TV.
    Se vc precisa de ajuda no Fórum Vivo, não deixe de escrever para os coordenadores do Fórum @_Bruna, @VedderK e @Leo19

  3. #3
    Citação Postado originalmente por Gaby Ver Post
    Olá @andrefbr,

    ficou muito bom o seu tópico, valeu por compartilhar essas informações com a galera aqui no Fórum.

    A equipe do Vivo Música by Napster viu o seu tópico e enviaram algumas informações para atualizar seu post:


    • O Vivo Música oferece o mesmo número de músicas que o Napster. Ambos contam com um acervo de 40 milhões de músicas, os catálogos são exatamente iguais.
    • Quanto a compatibilidade do serviço, o Vivo Música já está disponível para Smart TVs. Para usufruir dessa funcionalidade, basta assinar o pacote mensal 3 em 1 (R$14,90) e ter a Vivo TV. Acesse Menu – Interatividade ou canal 532 da Vivo TV.

    Valeu, @Gaby. Aos poucos eu vou melhorando.