Página 6 de 6 PrimeiroPrimeiro ... 456
Resultados 51 a 57 de 57
  1. #51
    Citação Postado originalmente por Alessandro. Ver Post
    mas depois da ligação para a central, ficou assim mesmo? Ou foi necessário algum ajuste.
    A ligação só serviu para me "explicarem" sobre os canais. No final das contas estou pagando mais e a vivo menos com essa estratégia.

    Na conta do próximo mês, caso não apareça justificativa, vou também fazer reclamação na Anatel e exigir reembolso

  2. #52
    Nível 76: Laranja Mecânica Avatar de thiagomocci
    Desde
    Mar 2015
    Localização
    São Paulo/SP
    Posts
    5.313
    Com esses serviços digitais, as operadoras diminuem a carga tributária e te oferece esses apps pelo mesmo preço de antes. Eu vejo como algo bom.

    SE cancelar os apps tirasse o valor em si, eu também cancelaria sem pensar, pois "CNJá" e "Discovery Kids" são bem incompletos (e desnecessários pra quem assina Netflix), ESPN Watch é cheio de "Esse conteúdo não está disponível em seu plano" e o app de segurança Wifi eu nem nunca me preocupei em verificar.

  3. #53
    Estou com o mesmo problema...
    A vivo fez isso com geral.
    Aconselho a todos com o mesmo problema a fazer uma reclamação online na ANATEL.
    Dessa forma eles recebem um multa bem bonita por ter feito isso com milhares de clientes.
    Deixa que eles sintam no bolso

  4. #54

    Aumento deliberado acima da inflação-igpm e venda casada.

    Entrei em contato com o Serviço de Atendimento ao Cliente da VIVO (Protocolo de Atendimento n.º 060220197450833) para solicitar o cancelamento dos SERVIÇOS DIGITAIS (G4U,DKids,ESPN,CN,EI). Fui informado pela atendente de que tais serviços haviam sido gratuitamente concedidos pela VIVO e que seu valor estava embutido no preço dos SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO, sob a rubrica de Internet (Vivo Fibra 100 Mbps), tendo sido seu desmembramento uma determinação da ANATEL.
    Desta forma a atendente disse que não seria possível cancelar os SERVIÇOS DIGITAIS, mas apenas proceder à sua retirada da fatura, o que acarretaria o aumento do valor dos SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO para o montante anterior ao desmembramento, ou seja, o valor total da fatura permaneceria o mesmo.

    Partindo dessas informações, procedi à análise das faturas do ano de 2018 para verificar desde quando os SERVIÇOS DIGITAIS haviam sido disponibilizados e qual teria sido o aumento da fatura desde então, dentre outros elementos de relevância para que eu pudesse me certificar da legitimidade das informações a mim passadas pela atendente.
    A disponibilização dos ditos SERVIÇOS DIGITAIS foi comunicada na fatura de 07/2018 com previsão de início em 27/07/2018, mencionando-se também um aumento de preço dos serviços de Internet e de telefonia a partir de 01/08/2018. Na ocasião a fatura de 07/2018 veio com os seguintes valores (meu plano compreende Internet de 100Mbps e telefone fixo):
    Internet - R$109,99
    Telefone (Franquia) - R$7,00
    Telefone (Assinatura) - R$42,99
    Os valores foram reajustados na fatura de 09/2018 (sem o devido destaque dos SERVIÇOS DIGITAIS, cuja disponibilização já havia sido em tese executada a partir de 27/07/2018, conforme comunicado na fatura de 07/2018). Com o primeiro reajuste, os valores ficaram como descritos a seguir:
    Internet - R$122,57 (aumento de 11,43%)
    Telefone (Franquia) - R$7,34 (aumento de 4,85%)
    Telefone (Assinatura) - R$45,14 (aumento de 5,00%)
    Na fatura de 10/2018 houve outro aumento de valores, conforme elencados abaixo:
    Internet - R$124,99 (aumento de 13,64%)
    Telefone (Franquia) - R$7,42 (aumento de 6,00%)
    Telefone (Assinatura) - R$45,56 (aumento de 5,98%)
    Na fatura de 11/2018 deu-se o desmembramento dos SERVIÇOS DIGITAIS, perfazendo o mesmo total da fatura anterior:
    Internet - R$94,99
    Serviços Digitais - R$30,00
    Telefone (Franquia) - R$7,42
    Telefone (Assinatura) - R$45,56

    Considerando que dados oficiais apontam uma inflação geral acumulada em 2018 da ordem de 3,75%, nesta embutida a participação dos serviços de comunicação (que incluem os serviços de Internet e de telefonia) os quais contribuíram para tanto com uma DEFLAÇÃO acumulada de -0,09%:
    https://g1.globo.com/economia/notici...8-em-375.ghtml
    Considerando também que o IGPM (índice utilizado pela VIVO para reajustes contratuais de 12 meses) acumulado em 06/2018 (mês que seria de referência para o reajuste, tanto para o ano de 2018 quanto para os 12 meses anteriores a essa competência contábil) não ultrapassou 6,94%, sendo o acumulado no ano para o mês de referência à competência na qual foram disponibilizados os SERVIÇOS DIGITAIS da ordem de APENAS 5,40%.
    https://www.portalbrasil.net/igpm.htm
    Observando-se ademais nos parágrafos acima que apenas o aumento do serviço de Internet da VIVO chegou a mais de 13% em apenas 3 (três) meses (um reajuste 115% acima dos índices utilizados para o reajuste dos próprios serviços de telefonia, estes da ordem de 6,00%) é corolário direto dessas constatações que os SERVIÇOS DIGITAIS em hipótese alguma foram disponibilizados “gratuitamente” e que seu acréscimo já estava previsto pelos administradores da VIVO para serem discreta e gradativamente inclusos na fatura, tendo em vista servir de sustentáculo ao argumento da “gratuidade” e da “filantropia” empresarial!!!

    Vale mencionar que os SERVIÇOS DIGITAIS não estão sujeitos à tributação pelo ICMS (imposto estadual, cuja alíquota é de 25%, pois NÃO são considerados SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO, tais como a Internet e a telefonia) mas sim ao ISS (imposto municipal, cuja alíquota para tal serviço é de 2%, num total de R$0,60 para uma base de cálculo de R$30,00). Tendo em vista o fato de SERVIÇOS DIGITAIS não serem enquadrados como SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO, isso coloca esse valor de R$30,00 fora da incidência do ICMS (o que elevaria o tributo para um total de R$7,50, sendo 25% de R$30,00, caso incidisse ICMS, como ocorre com os SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO). Quanto à incidência do PIS/COFINS (contribuição social de competência federal) há uma compensação, fazendo com que se aumente a alíquota de 3,65% (o que resultaria em R$1,09 de tributo devido por SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO equivalentes a R$30,00) para 9,25% (o que perfaz R$2,77 em tributo devido para SERVIÇOS DIGITAIS dessa mesma monta, ou seja R$30,00). Fazendo-se as contas da diferença entre o que seria tributado como SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO e o que é tributado como SERVIÇOS DIGITAIS, ambas com base de cálculo de R$30,00, a VIVO teria uma economia de R$5,22 na minha assinatura, a título de renúncia tributária, independentemente do ente tributante!!!
    Ressalte-se que os SERVIÇOS DIGITAIS disponibilizados “gratuitamente” (segundo a atendente da VIVO) embora resultem numa economia tributária, tal decréscimo de valor não é repassado ao consumidor!!!
    Quanto ao argumento de que “caso fosse omitido na fatura o valor dos SERVIÇOS DIGITAIS esse seria reintegrado aos SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO, os quais voltariam a ter o valor majorado de outrora” (e que sua segregação seria decorrente de uma determinação da ANATEL) a VIVO incorreria em crime tributário de sonegação frente ao fisco municipal ao não destacar os SERVIÇOS DIGITAIS (Art.1.º da Lei 4729/65) não obstante o fato de que, no melhor caso, estaria deixando de economizar em impostos.

    Além disso, vale lembrar que ao ser denegada ao consumidor a exclusão dos SERVIÇOS DIGITAIS por parte da operadora, fica configurada a Venda Casada, conforme definido pelo CDC (Código de Defesa do Consumidor) em seu art.39:
    Art. 39. É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras práticas abusivas: (Redação dada pela Lei nº 8.884, de 11.6.1994)
    I - condicionar o fornecimento de produto ou de serviço ao fornecimento de outro produto ou serviço, bem como, sem justa causa, a limites quantitativos;
    II - recusar atendimento às demandas dos consumidores, na exata medida de suas disponibilidades de estoque, e, ainda, de conformidade com os usos e costumes;
    III - enviar ou entregar ao consumidor, sem solicitação prévia, qualquer produto, ou fornecer qualquer serviço;
    IV - prevalecer-se da fraqueza ou ignorância do consumidor, tendo em vista sua idade, saúde, conhecimento ou condição social, para impingir-lhe seus produtos ou serviços;
    V - exigir do consumidor vantagem manifestamente excessiva;
    VI - executar serviços sem a prévia elaboração de orçamento e autorização expressa do consumidor, ressalvadas as decorrentes de práticas anteriores entre as partes;
    VII - repassar informação depreciativa, referente a ato praticado pelo consumidor no exercício de seus direitos;
    VIII - colocar, no mercado de consumo, qualquer produto ou serviço em desacordo com as normas expedidas pelos órgãos oficiais competentes ou, se normas específicas não existirem, pela Associação Brasileira de Normas Técnicas ou outra entidade credenciada pelo Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro);
    IX - deixar de estipular prazo para o cumprimento de sua obrigação ou deixar a fixação de seu termo inicial a seu exclusivo critério;
    IX - recusar a venda de bens ou a prestação de serviços, diretamente a quem se disponha a adquiri-los mediante pronto pagamento, ressalvados os casos de intermediação regulados em leis especiais; (Redação dada pela Lei nº 8.884, de 11.6.1994)
    X - (Vetado).
    X - elevar sem justa causa o preço de produtos ou serviços. (Incluído pela Lei nº 8.884, de 11.6.1994)
    XI - Dispositivo incluído pela MPV nº 1.890-67, de 22.10.1999, transformado em inciso XIII, quando da conversão na Lei nº 9.870, de 23.11.1999
    XII - deixar de estipular prazo para o cumprimento de sua obrigação ou deixar a fixação de seu termo inicial a seu exclusivo critério. (Incluído pela Lei nº 9.008, de 21.3.1995)
    XIII - aplicar fórmula ou índice de reajuste diverso do legal ou contratualmente estabelecido. (Incluído pela Lei nº 9.870, de 23.11.1999)
    XIV - permitir o ingresso em estabelecimentos comerciais ou de serviços de um número maior de consumidores que o fixado pela autoridade administrativa como máximo. (Incluído pela Lei nº 13.425, de 2017)
    Parágrafo único. Os serviços prestados e os produtos remetidos ou entregues ao consumidor, na hipótese prevista no inciso III, equiparam-se às amostras grátis, inexistindo obrigação de pagamento.

    Outro fato vale ser mencionado: Há relatos de aumento de valores para usuários com menos de 12 meses de contrato, embora no contrato esteja expresso que os valores só podem ser reajustados após 12 meses após contratação dos mesmos pelo IGPM:
    https://legado.vivo.com.br/Portal%20...C3%A7os_TV.pdf

    Em suma, os SERVIÇOS DIGITAIS constituem mais um encargo ADICIONAL, sem nenhuma contraprestação de fato pela operadora, aos clientes da VIVO que não optaram ou não utilizam tal produto.
    Sua omissão da fatura tipificaria crime decorrente de sonegação fiscal para com o fisco municipal, o que tornaria legalmente impossível sua retirada, sendo totalmente falacioso o argumento de se “reembutir” seu valor aos SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO.
    A VIVO comete infração contra o Código de Defesa do Consumidor em não permitir que seus clientes cancelem os SERVIÇOS DIGITAIS.
    Nesse contexto vale o requerimento da retirada dos SERVIÇOS DIGITAIS e do reembolso dos valores já cobrados pela VIVO sobre os produtos dessa rubrica.

  5. #55
    Citação Postado originalmente por openwaves Ver Post
    Bom dia. A partir da última fatura (agosto/18), percebi que o valor de R$30, correspondente ao serviço "Serviços Digitais - G4U, DKids, ESPN, CN, EI:" está sendo incluído na fatura. Eu não tenho nenhum serviço de ppv ou televisão a cabo, nesse contexto, qual o procedimento para cancelamento?

    Realizei algumas buscas na internet, mas parece ser um item recente, como pode ser visto abaixo.
    https://forum.vivo.com.br/threads/56...s-planos-fibra
    Como eu acesso os serviços digitais?
    Vida longa e próspera

    Enviado do Windows 3.11
    Fulvio Ferreira
    CSCO11008181

  6. #56
    No meu caso cobraram 70 reais a mais.

  7. #57
    Nível 76: Laranja Mecânica Avatar de thiagomocci
    Desde
    Mar 2015
    Localização
    São Paulo/SP
    Posts
    5.313
    Citação Postado originalmente por fulvio108 Ver Post
    Como eu acesso os serviços digitais?
    Entre nos sites dos serviços ou apps e faça login clicando no logo da Vivo e digitando seu login e senha usados no Meu Vivo.

    Citação Postado originalmente por damobali Ver Post
    No meu caso cobraram 70 reais a mais.
    Como assim? Esse valor é realmente de serviços digitais? Ou acabou alguma fidelização que você tinha dando desconto? Pode ser isso também, pois no geral, os Serviços Digitais não tem custo, eles descontam exatamente o valor cobrado por eles no serviço padrão.