Ei, pessoal!
Pergunta: você já se pegou, sem mais nem menos, com uma vontade incontrolável de rever alguma animação Disney? Pois é: você não está sozinho. Elas têm algo de mágico mesmo: uma leveza tão única que fica difícil não se apaixonar por esse mundo.

Por isso, reuni aqui uma listinha (curta, porém cheia de critério!) com algumas animações Disney que mereciam mais destaque. Em outras palavras: aqueles desenhos que TODO MUNDO deveria estar revendo até não poder mais.

São eles:

ENROLADOS



Esta primorosa história sobre sonhos e desilusões é um tesouro escondido da Disney. Não consigo, por mais que tente, entender por que Enrolados não recebeu o sucesso merecido. Aqui, tudo é superlativo: o visual é delicado (os cabelos de Rapunzel são de deixar os olhos brilhando), a trama é enxuta e contada da melhor maneira, as canções são emocionantes (quando Rapunzel embala Healing Incantation, eu choro feito bebê). E eu poderia citar mais uns 100 motivos para explicar que esta é uma das melhores animações já feitas. Mas, ao invés disso, vou correndo assisti-la pela 100ª vez.

O CORCUNDA DE NOTRE DAME



O caso é famoso: o desenho desviou-se do alvo. O Corcunda é, em cada minuto de projeção, uma animação adulta. A temática é forte: um sujeito perde a mãe e vive escondido numa catedral, por causa de sua aparência fora dos padrões. Seu mentor, o juiz Frolo, é um dos mais perversos vilões Disney. E o filme é uma maravilha: embalado por algumas das melhores canções do estúdio, dono de uma mensagem necessária sobre exclusão e encabeçado por personagens cheios de personalidade.

A NOVA ONDA DO IMPERADOR



Esta é unânime: Kuzco é um imperador egoísta, que pouco liga se a construção de seu novo palácio vai destruir a casinha de um camponês gente boa. Mas ele nem é o vilão aqui: Yzma está louca para tomar o lugar de Kuzco – tanto que, sem querer, faz dele uma lhama. A Nova Onda é delicioso: as piadas são tão criativas quanto acessíveis, o quarteto principal (que ainda conta com Kronk, um sujeito de bom coração) é dos melhores e não há nada fora do lugar aqui. É aquele desenho para ver toda hora. E não enjoar nunca.

AS PERIPÉCIAS DE UM RATINHO DETETIVE



Imagine se Sherlock Holmes fosse um camundongo rabugento e precisasse encontrar um importante criador de brinquedos. Isso tudo em Londres, tão bem ambientada nesta animação que merecia muito mais: é uma graça que se perdeu pelo título pouco atraente.

IRMÃO URSO



Se você não se apaixonou pela chatice do Koda, um filhote de urso órfão, deve ter perdido algo de Irmão Urso. A reflexão é sincera: sobre olhar as diferenças e estar pronto para entender que elas também são parte de uma vida completa. Prepare o lenço e não perca tempo.

ATLANTIS: O REINO PERDIDO



Um dos maiores fracassos de bilheteria da Disney é também uma animação cheia de energia. É lindo, lindo: o trabalho de contextualizar todo um universo deveria ter sido aplaudido. E os personagens, todos eles, têm carisma de sobra – desde o desajeitado Milo, herói de Atlantis, até Bertha, uma senhora que ri da própria tragédia.

Agora é com vocês: qual animação Disney vocês acham que merecia mais atenção?